laboratório / lab

.

.

Hope_Esperanza, ilda teresa castro . 2018

(no . 2018-2019)

Ecocídio / Ecocide, ilda teresa castro . 2017

(no. IX . 2017-18)

Um Estendal na Horta do Baldio / Washing Line at Horta do Baldio, Teresa Vieira. 2016

(no. VIII . 2016-17)

Diários de uma Pesquisa / Diaries of a Research, ilda teresa castro . 2016

(no. VII . 2016)

.

.

Hope_Esperanza

ilda teresa castro . 13´ . 2017

por/by Catarina Alfaro

Hope_Esperanza é uma proposta fílmica invulgar, uma experiência que transgride as práticas ortodoxas do cinema e convida a explorar estados perceptivos de som-imagem-imagem mental. Os sentidos (audição e visão) são conduzidos para um estado em tudo semelhante ao  onírico, onde o que é real e o que é imaginado se sobrepõem criando-se, assim, na consciência do espectador, a sensação de uma viagem imersiva, sendo a  Natureza o seu elemento indutor.

O espectador é convidado a seguir as indicações que surgem no ecrã, no escuro e em silêncio, como no cinema e, em termos técnicos, atribuir ao som pelo menos as mesmas condições da imagem (na definição e volume sonoro). Tal como noutras pesquisas da autora o filme traça uma aproximação aos domínios vegetal, animal e mineral.

.

Hope Esperanza is an unusual film proposal, an experience that transgresses orthodox cinema practices and invites us to explore perceptual states of sound-image-mental imagery. The senses (hearing and vision) are led to a state in everything similar to the dream, where what is real and what is imagined overlap, creating in the consciousness of the viewer the sensation of an immersive journey, being Nature its inductive element.

The viewer is invited to follow the indications that appear on the screen, in the dark and silence, as in the cinema and, in technical terms, to assign to the sound at least the same conditions of the image (in the definition and sound volume). As in other proposals of the author, the film traces an approach to the vegetable, animal and mineral domains.

.

* Catarina Alfaro é Licenciada em História da Arte e Mestre em Museologia e Património.  Colaborou na edição do Catálogo Raisonné de Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918), sendo autora da Fotobiografia do artista (Volume I do Catálogo Raisonné, 2007). Realizou a investigação preparatória da exposição Amadeo de Souza-Cardoso Diálogo de Vanguardas, assumindo as funções de Comissária-adjunta e coordenadora editorial do catálogo da referida exposição (coordenação partilhada com Helena de Freitas). Integrou a equipa científica do volume II do catálogo Raisonné de pintura de Amadeo de Souza-Cardoso. Actualmente é Coordenadora da Programação e Conservação do museu Casa das Histórias Paula Rego, assumindo a curadoria das exposições deste museu, bem como a edição dos respectivos catálogos, desde 2011.

*llda Teresa de Castro é ecóloga, artista e investigadora. Realiza o pós-doutoramento (2013-2019) Paisagem e Mudança – Movimentos, com apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia. Doutorada em Ciências da Comunicação / Cinema e Televisão, na FCSH, da Nova de Lisboa, com uma tese sobre a participação do filme na sensibilização ecológica. É formada em Cinema na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa, e em Peritos em Arte na Escola Superior de Artes Decorativas da Fundação Ricardo Espírito Santo e Silva, Lisboa. É autora de vários ensaios e dos livros Eu Animal − argumentos para uma mudança de paradigma – cinema e ecologia (2015); de uma trilogia de entrevistas sobre Cinema Português, Animação Portuguesa (2004); Cineastas Portuguesas (2001); Curtas Metragens Portuguesas (1999) e do cartoon book Não Fazer Nada É que É Bom 1991-2004 (2005). Enquanto ecoartista desenvolve projectos multidisciplinares num cruzamento entre arte, ecologia, filosofia e ciência com enfoque no domínio ecocritico, ambiental e animal. Os seus ecofilmes têm sido exibidos em ecofestivais e ecoconferências na Amazónia – Brasil, Panjim – Goa, Mexico City – México, Porto, Lisboa e Colares – Portugal. É co-autora da ópera multimedia Descartes Nunca Viu Um Macaco (2017). É a fundadora e editora da plataforma e revista online: ecomedia, ecocinema e ecocritica_animalia vegetalia mineralia.

.

* Catarina Alfaro holds a degree in Art History and a Master’s degree in Museology and Heritage. She collaborated in the edition of the Raisonné Catalog of Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918), being the author of the artist’s Photobiography (Volume I of the Raisonné Catalog, 2007). Carried out the preparatory research for the exhibition Amadeo de Souza-Cardoso Dialogue of Vanguards, assuming the functions of assistant Commissioner and editorial coordinator of the catalog (coordination shared with Helena de Freitas). She was part of the scientific team of the Raisonné catalog of painting by Amadeo de Souza-Cardoso, volume II. She is currently Coordinator of the Programming and Conservation of the Paula Rego House of Stories museum, taking over the curatorship of the exhibitions of this museum, as well as the edition of the respective catalogs, since 2011.

* Ilda Teresa de Castro is an ecologist, artist and researcher. She is doing the postdoctoral researcher (2013-2019)  Landscape and Change – Movements, with support by the Foundation for Science and Technology. PhD in Communication Sciences/Cinema and Television at Faculty of Social and Human Sciences, at NOVA University of Lisbon with a thesis which deals with the part films play in the construction of an ecocritical perception. She is graduated in Cinema Studies at Superior School of Theater and Cinema in Lisbon, and in Art Experts at Superior School of Decorative Arts, Foundation Ricardo do Espírito Santo Silva in Lisbon. She is the author of several essays as well as the book Eu Animal − argumentos para uma mudança de paradigma – cinema e ecologia (I Animal – arguments for a new paradigm – cinema and ecology, 2015); a trilogy of interviews on Portuguese Cinema, Animação Portuguesa, (Portuguese Animation Movies, 2004); Cineastas Portuguesas (Portuguese Women´s Cinema, 2001); Curtas Metragens Portuguesas (Portuguese Short-Films, 1999) and the cartoon book Não Fazer Nada É que É Bom 1991-2004 (To Do Nothing At All – That’s The Life!, 2005). As ecoartist she develops multidisciplinary projects  at a crossroad between art, ecology, philosophy and science, focusing on the ecocritic, environmental and animal domain. As a ecocinema filmmaker and video artist, she has had his works screened in ecofestivals and ecoconferences in Amazonia – Brasil, Panjim – Goa, Mexico City – Mexico, Porto, Lisboa and Colares – Portugal. She is co-author of the multimedia opera Descartes Never Saw A Monkey (2017). She is the founder and editor of the online ecomedia, ecocinema and ecocritic platform and journal_animalia vegetalia mineralia. 

.

.

Ecocídio

Ecocide

ilda teresa castro . 9´. 2017

este filme foi realizado antes dos incêndios de 15 de Outubro 2017 que dizimaram esta região do país como nunca antes tinha acontecido
.
this film was made before the fires of October 15th that decimated this region of the country like never before
.

* Ilda Teresa Castro assume um cruzamento entre arte e ecologia, com enfoque no domínio ecocritico, ambiental e animal. Conjuga práticas artísticas distintas, realiza filmes e instalações ecocriticas. Investigadora no Laboratório de Cinema e Filosofia do IfilNova. Pós-doc com o projecto “Paisagem e Mudança − Movimentos”, apoiado pela FCT. Fundadora e editora da plataforma e jornal online  AnimaliaVegetaliaMineralia. Autora do livro Eu Animal − argumentos para uma mudança de paradigma – cinema e ecologia (2015). PhD em Ciências da Comunicação/Cinema e Televisão, pela FCSH, da Universidade Nova de Lisboa. Prossegue investigação em Estudos Fílmicos e Ecocriticismo.

* Ilda Teresa Castro assumes a cross between art and ecology, with a focus on the ecocritical, environmental and animal domain. It combines different artistic practices, makes films and ecocritic instalations. Researcher in the Laboratory of Cinema and Philosophy at IfilNova Institute of Philosophy. She is developing the Postdoctoral project “Landscape and Change – Movements”, with support by the FCT. Founder and editor of the online journal and homonym platform AnimaliaVegetaliaMineralia  PhD in Communication Sciences, Faculty of Humanities and Social Sciences, Universidade NOVA de Lisboa. Author of the book Eu Animal − argumentos para uma mudança de paradigma – cinema e ecologia (2015) [I Animal – arguments for a paradigm shift – cinema and ecology (2015)] . She continues making research in Film Studies and Ecocriticism.

.

.

Um Estendal na Horta do Baldio

Washing Line at Horta do Baldio

produção / production Teresa Vieira* . 2016

.

baldio1

.Este vídeo dá a ver a Horta do Baldio, existente perto do Campo Pequeno, um espaço expectante para construção que se encontra cedido temporariamente a um grupo de guardiões que têm feito a manutenção de uma Horta. Sob a  proposta de Cláudia Madeira aos seus alunos do seminário de Programação Cultural do Mestrado de Artes Cénicas da FCSH-UNL criou-se um projecto estendal para a Horta cujo objectivo é expor através de lençóis processos artísticos, de investigação ou outros, que têm vindo a ser desenvolvidos em Portugal em torno da questão da ecologia das cidades.

This video gives a glimpse of Horta do Baldio, a community garden that exists near Campo Pequeno. A space expected to be a target of construction, that was temporarily conceded to a group of guardians that have been responsible for maintaining a community garden. The Washing Line project was created thanks to a proposal from Cláudia Madeira to her students of the Cultural Programming’s seminar, from the Performing Arts Master’s degree. Its main goal is to show, through sheets, artistic processes – of research or others – that have been developed throughout Portugal, with the theme of ecology of the city.

.relacionado / related :

Estendal – o valor de uma experiência artística numa horta sem sustentabilidade, por Cláudia Madeira

Estendal (Washing Line) – the value of an artistic experiment in a communal garden without sustainability, by Cláudia Madeira

ecosofias / ecosophies – ler / full text

.

*Teresa Vieira é licenciada em Jornalismo e é, actualmente, estudante do Mestrado de Comunicação e Artes na FCSH/NOVA. Os seus tópicos e interesses de investigação são Cinema e Performance, desenvolvendo ensaios relativos a estes mesmos tópicos – Jonas Mekas, Joan Jonas, Natalia LL, Yvonne Rainer e Věra Chytilová, por exemplo. A sua dissertação de Mestrado será uma análise das formas e conteúdos do cinema lituano, durante os anos 90.

*Teresa Vieira has a bachelor’s degree in Journalism and is currently a Communication and Art’s Master student, in FCSH/NOVA. Her main research topics and interests are Cinema and Performance, developing several essays regarding these topics – Jonas Mekas, Joan Jonas, Natalia LL, Yvonne Rainer and Věra Chytilová, for example. Her Master’s dissertation will be an analysis of the forms and contents of Lithuanian Cinema during the 90s.

.in animalia vegetalia mineralia 8 . ano / year 3 . Inverno 2016 / Winter 2016

.

.

Diários de uma Pesquisa

Diaries of a Research

ilda teresa castro . 2016

.

«O que significa ser “pessoa”, “animal” ou “árvore”? Porque é que ao contrário do que seria natural, a civilização insiste em prosseguir comportamentos que são nocivos?» Estas e outras questões cruzam a arte e a ecocritica num registo diarístico, e convocam o pensamento sobre estes tempos marcados por uma falência ambiental de abrangência planetária.

.“What means to be a “person”, “animal” or “tree”? Why in opposition to what is natural, civilization insists in pursuing behaviours that are harmful?” These and other questions intersect art and ecocriticism in a diaristic registration, and summon the though about these times marked by an environmental bankruptcy of planetary scope .

.exibições / has been screened at Ecocinema Festival and Conference, Tinai Ecofilm Festival 2015, Goa, India; Fundação Oriente, Panjim, Goa, India, 2015; BBC, Funchal, Ilha da Madeira, 2015 (versão final do filme/ a final version of the film); Museu Geológico de Lisboa, 2016; Centro Cultural Condes de Vinhais, 2016; Flores do Cabo 2016.

.

* Ilda Teresa Castro artista pluridisciplinar, no seu trabalho mais recente assume um cruzamento entre arte e ecologia − arte e ciência, com enfoque no domínio ecocritico, ambiental e animal. Conjuga práticas artísticas distintas: desenho, fotografia, webdesign, joalharia, escultura e filme. Investigadora pós-doc no AELab – Laboratório de Estética e Filosofia das Práticas Artísticas do IfilNova,  com o projecto “Paisagem e Mudança − Movimentos”, apoiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. Fundadora e editora da plataforma e jornal online  AnimaliaVegetaliaMineralia, realiza filmes e instalações ecocriticas. Publicou Eu Animal − argumentos para uma mudança de paradigma – cinema e ecologia (2015). Doutorada em Ciências da Comunicação/Cinema e Televisão, pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa. Prossegue investigação em Estudos Fílmicos e Ecocriticismo.

* Ilda Teresa Castro is a multidisciplinary artist, her most recent work assumes a cross between art and ecology — art and science, with a focus on the ecocritical, environmental and animal domain. It combines different artistic practices: drawing, photography, webdesign, jewelery, sculpture and film. Researcher in the AELab – Laboratory of Aesthetics and Philosophy of Artistic Practices at IfilNova Institute of Philosophy, Castro is developing the Postdoctoral project “Landscape and Change – Movements”, with support by the FCT. Founder and editor of the online journal and homonym platform AnimaliaVegetaliaMineralia she makes films and ecocritic instalations.  PhD in Communication Sciences, Faculty of Humanities and Social Sciences, Universidade NOVA de Lisboa, she published the book Eu Animal − argumentos para uma mudança de paradigma – cinema e ecologia (2015) [I Animal – arguments for a paradigm shift – cinema and ecology (2015)] and continues making research in Film Studies and Ecocriticism.

.

in animalia vegetalia mineralia 7 . ano / year 3 . Primavera 2016 / Spring 2016

.

.

.