estudos de plantas / plant studies

english / português

.

.

Simbiose e Diversidade ou as plantas a determinarem a evolução

por Nuno Ribeiro*

nunoribeiroavm8

© Nuno Ribeiro

Michael Pollan, professor de jornalismo e profundo estudioso dos alimentos e da história da alimentação, no seu excelente livro de 2001, mais tarde documentário, The Botany of Desire, com base em 4 exemplos (a Maçã, a Túlipa, a Cannabis e a Batata), desenvolve a teoria de que são as plantas que tomam decisões e desenvolvem estratégias complexas de adaptação para corresponderem aos desejos dos humanos e desta forma perpetuarem as espécies e garantirem a sobrevivência em contextos hostis, como a manipulação genética e os processos industriais tóxicos e destrutivos.

Numa perspectiva mais radical, o etnobotânico Terence Mackena declarava que os animais são algo inventado pelas plantas, uma estratégia para movimentação das sementes. Nada que pareça desprovido de sentido num contexto metafórico quando sabemos a dificuldade que as plantas têm em expandir o seu habitat devido à sua morfologia.
 Já o sabor doce e outros atributos como a profusão e combinação de cores características das angiospérmicas ou os diferentes aromas que propagam, parecem desenvolvidos com o objectivo único de atrair os polinizadores como acontece com as abelhas e as pessoas.

Nesta visão de simbiose e diversidade, as plantas determinaram a evolução. Elas suportaram os animais na transição do ambiente aquático para o solo terrestre, tal como já acontecia anteriormente na água. O estabelecimento da flora em terra provocou um aumento de oxigénio— já que as plantas produzem oxigénio como resíduo do seu processo vital — que acumulado na atmosfera resultou numa explosão de diversidade e de diferentes estratégias evolucionárias que continuam a ocorrer, muito embora e como nunca, controladas pelos humanos e dependentes das decisões tomadas pelas corporações.

Consequência de uma simbiose que decorre desde que as plantas acompanhadas pelos fungos (micorriza) se transferiram para terra há mais de 400 milhões de anos, perdemos a noção dessa dimensão e olhamo-las como seres inferiores, por vezes 
com interesse decorativo. Independentemente de não lhes atribuirmos a devida importância, as plantas, inexoravelmente, fazem o seu caminho e desenvolvem estratégias de sobrevivência no contexto da evolução, tão complexas como as desenvolvidas pelos animais, os humanos inclusive.

Apesar da indiferença a que são votadas, creio que vão continuar a tentar comunicar connosco até lhes darmos a devida atenção.

.

Terence Mackena: “Animals are something invented by plants to move seeds around. An extremely yang solution to a peculiar problem which they faced.”

..

Michael Pollan, The Botany of Desire: A Plant’s-eye View of the World, Random House, 2001.

The Botany of Desire Documentary, Michael Schwarz 2009: http://bit.ly/1prSXk3

Terence McKenna, Food of the Gods: The Search for the Original Tree of Knowledge, 1992.

.

* Nuno Ribeiro é botânico amador e coleccionador de plantas epífitas. Estudioso do comportamento das plantas na interação com os seres humanos. É proprietário de Flores do Cabo desde 2005 e formado em Belas Artes (Design) e Engenharia Informática (Hipermédia e Computação Distribuida).

.

.

Symbiosis and Diversity or plants to determine the evolution

by Nuno Ribeiro*

nunoribeiroavm8

© Nuno Ribeiro

Michael Pollan, a professor of journalism and deep student of food and the history of food, in his excellent 2002 book, later documentary, The Botany of Desire, develops the theory, based on 4 examples (the apple, the tulip, cannabis and potato), that in fact are the plants that make decisions and develop complex adaptation strategies to match human desires, and thus perpetuate the species and ensure their survival in hostile environments, such as industrial  genetic manipulation and toxic and destructive industrial processes.

In a more radical perspective, the ethnobotanist Terence Mackena stated that animals are something invented by plants as a strategy to move the seeds. It’s nothing that seems devoid of meaning, in a metaphorical context, when we know the difficulty that plants have to expand their habitat due to their morphology.
Sweet and other attributes such as the profusion and color combination that arise with the angiosperms, or different “perfume”, seem developed with the sole purpose of attracting pollinators like bees and humans.

The plants will keep talking with us until we give them the due attention.

In this view of symbiosis and diversity, plants determined the evolution. Plants supported animals in the transition to land, as already did before in the water. The establishment of a flora land based caused cumulative oxygen increases in the atmosphere — since plants produce oxygen as the residue of its vital process — and the result was an explosion of diversity and evolutionary strategies which still occurs, although and as ever, controlled by humans and dependent on decisions taken by corporations.

Resulting from a symbiosis that elapses from when the plants along with fungi (mycorrhiza) moved to earth over 400 million years ago, we lose track of this dimension and we look at the plants as inferior beings, with decorative interest, sometimes.
Regardless of not giving them the due importance, plants inexorably make their way and develop survival strategies in the context of evolution, as complex as those developed by the animals, including humans.

Despite the indifference they are voted, I believe they will continue to try to communicate with us until we give them fair attention.

.

Terence Mackena: “Animals are something invented by plants to move seeds around. An extremely yang solution to a peculiar problem which they faced.”

.

Michael Pollan, The Botany of Desire: A Plant’s-eye View of the World, Random House, 2001.

The Botany of Desire Documentary, Michael Schwarz 2009: http://bit.ly/1prSXk3

Terence McKenna, Food of the Gods: The Search for the Original Tree of Knowledge, 1992.

.

* Nuno Ribeiro is an amateur botanist and epiphytic plants collector. Passionate by the plants behavior in the interaction with humans. Owner of Flores do Cabo since its inception in 2005. Academic degree in Beaux Arts (Design) and Computer Engineering (Hypermedia and Distributed Computing).

.

.

on Plants and Philosophy

.

image image-1 image-2

.

Interview with Michael Marder concerning Plants and Philosophy

Last years have seen a great production (namely your books, book chapters and articles) concerning plants. What motivates your interest on that subject?

When I started working on the “philosophy of vegetal life” in 2008, there were virtually no studies on the topic. When I mentioned to friends and acquaintances that I was working on the relation between plants and philosophy, they usually had a puzzled look on their faces but, invariably, wanted to know more about such a bizarre combination.

Initially, I was simply dissatisfied with the fashionable investigations of “the question of the animal” in the humanities. The animals that were usually studied in that context were the highly individuated ones: either similar to humans (other primates, chimpanzees…) or those we are used to think of as pets (dogs and cats) or, in the best of cases, other species we consider benevolent and intelligent based on our own measures of these criteria (dolphins, elephants, etc.). “Interspecies ethics” did not really account for hyenas, mosquitoes, or any variety of plants, as it strove to create a larger-than-human community of living beings.

As I attempted to make a modest contribution towards filling this lacuna, it quickly became obvious that a single book will not suffice. For instance, the ethical and political issues surrounding plant life have to be addressed in a separate monograph, which is still in the works. You can, nonetheless, see the outlines of such a study in the book chapters and articles I published over the last few years.

Despite all the research already done, the field of the philosophy of plant life remains, quite literally, fertile. We are yet to delve into the aesthetics of plants, informed by the emergent theoretical approaches, and we have barely scratched the surface when it comes to the importance of vegetal processes in our own thinking.

What are the main purposes, similarities and differences between Plant-Thinking: A Philosophy of Vegetal Life (Columbia UP, 2013), The Philosopher’s Plant: An Intellectual Herbarium (Columbia UP, 2014), and the forthcoming book (with Luce Irigaray), Through Vegetal Being (Columbia UP, 2016)?

Plant-Thinking wished to clear the ground for a reconceptualization of the place of plants in the history of Western philosophy and to reconfigure an ontology of vegetal life that would give vegetal temporalities, freedom, and mode of relating to the world their due. It was a book written primarily for philosophers, interested in extending their preoccupations with animals to other non-human and non-animal forms of life.

In turn, The Philosopher’s Plant was conceived as an introduction to philosophy for those interested in the discipline, as well as, for those already well versed in it, an alternative itinerary through intellectual history extending from Plato to our days. In this book, I focus on biographical episodes in the lives of twelve prominent philosophers that, in one way or another, feature plants, with which each of them is associated. I then explain their basic ideas and systems of thought with the help of vegetal examples, images, and metaphors. Finally, I discuss the contributions made (and obstacles posed) by these philosophers to our understanding of plants and to the budding philosophy of vegetal life.

I did everything I could to make the book both light and intriguing. It was a pleasure to compose also because it gave me a chance to collaborate with a French artist, Mathilde Roussel, who turned it into a true “herbarium” thanks to her beautiful paintings that open each chapter. In general, I hope that The Philosopher’s Plant will draw people to philosophy, as much as create a set of connections between ideas and actual plant specimens I discuss in it (from wheat to water lily; pears to palm trees…)

As for the Through Vegetal Being, a manuscript I’ve just finished writing with Luce Irigaray, this book is perhaps even more unconventional. In it, we mix fragments of our own biographies with stories and reflections about plants. We think of this book as an encounter between us “through” the mediation of plants—one that offers a more complete approach to vegetal life thanks to the framework of sexuate difference, within which our text unfolds.

interview by Ilda Teresa Castro

.

image image-1 image-2

.

sobre Plantas e Filosofia

.

entrevista com Michael Marder sobre Plantas e Filosofia

Grande parte da sua escrita nos últimos anos (livros, capítulos de livros e artigos) tem por enfoque as plantas. O que o motiva nesta abordagem?

Quando comecei a trabalhar na área de “filosofia de vida vegetal”, em 2008, praticamente não havia estudos sobre o tema. Na verdade, quando mencionava a amigos e conhecidos que estava a investigar a relação entre as plantas e a filosofia, obtinha um olhar confuso nos seus rostos mas, invariavelmente, queriam saber mais sobre uma combinação tão incomum.

Inicialmente, eu estava simplesmente insatisfeito com as investigações em voga nas humanidades sobre “a questão animal”. Os animais estudados nesse contexto muitas vezes eram altamente individualizados: ou similares aos humanos (outros primatas, chimpanzés) ou aqueles em que estamos habituados a pensar como animais de estimação (cães e gatos) ou, no melhor dos casos, outras espécies que consideramos benevolentes e inteligentes baseados nos nossos próprios parâmetros sobre esses critérios (golfinhos, elefantes, etc.). Quando a “ética inter-espécies” se esforçou por criar uma comunidade de seres vivos maior do que a humana não teve em conta as hienas, os mosquitos, ou qualquer variedade de plantas.

Enquanto tentava preencher esta lacuna, tornou-se-me evidente que um único livro não seria suficiente. A exemplo, as questões éticas e políticas em torno da vida da planta, têm que ser abordadas numa monografia separada, que ainda está em construção. É possível, no entanto, ver os contornos desse estudo nos capítulos de livros e nos artigos que publiquei nos últimos quatro anos.

Apesar de toda a investigação já realizada, o campo da filosofia da vida vegetal permanece − digamos − fértil. Ainda temos que considerar a estética das plantas com base nesta emergente abordagem teórica e ainda mal arranhamos a superfície no que se refere à importância dos processos vegetais no nosso próprio pensamento.

Quais são os principais objectivos, semelhanças e diferenças entre Plant-Thinking: A Philosophy of Vegetal Life (Columbia UP, 2013), The Philosopher’s Plant: An Intellectual Herbarium (Columbia UP, 2014), e o próximo livro (com Luce Irigaray), Through Vegetal Being (Columbia UP, 2016)?

Plant-Thinking pretendia limpar o terreno para uma reconceituação do lugar das plantas na história da filosofia ocidental e reconfigurar uma ontologia da vida vegetal que enquadre as temporalidades vegetais, sua liberdade e modo de se relacionar com o mundo. Era um livro escrito principalmente para os filósofos, interessados em ampliar a sua consideração dos animais a outras formas de vida não-humana e não-animal.

Por sua vez, The Philosopher’s Plant foi concebido como uma introdução à filosofia, quer para os interessados na disciplina quer para os que nela são versados, enquanto ponto de vista alternativo ao da história intelectual que se estende desde Platão até os nossos dias. Neste livro, cada capítulo começa com episódios biográficos das vidas de doze proeminentes filósofos que, de uma forma ou de outra, se relacionam com as plantas com que cada um está associado. Depois explico as suas ideias de base e sistemas de pensamento com a ajuda de exemplos vegetais, imagens e metáforas. Por fim, tento descrever a contribuição e obstáculos que estes filósofos trouxeram à nossa compreensão das plantas e à emergente filosofia da vida vegetal.

Estilisticamente, tentei criar um livro leve e instigante. Foi um projecto prazeroso também porque nele colaborou a artista francesa, Mathilde Roussel, que o transformou num verdadeiro “herbário” graças às suas belas pinturas que abrem cada capítulo. Em geral, espero que The Philosopher’s Plant suscite o interesse das pessoas pela filosofia e crie um conjunto de associações entre as ideias e as espécimes de plantas reais que nele discuto (do trigo ao nenúfar; das peras às palmeiras…)

Quanto a Through Vegetal Being, um manuscrito que escrevi com Luce Irigaray, é um livro talvez ainda mais incomum. Nele, misturámos fragmentos de nossas próprias biografias com histórias e reflexões sobre as plantas. Pensámos esse livro como um encontro entre nós “através” das plantas e mediado por elas − um que oferece uma abordagem mais completa da vida vegetal, graças à matriz de diferença sexual, dentro da qual situamos o nosso texto.

entrevista (e tradução) por Ilda Teresa Castro

.

.

on The Language of Plants

.

image_ilda_castro

.

Interview with Patrícia Vieira, Georgetown University, concerning The Language of Plants.

The response to the call for papers for The Language of Plants was overwhelming. Does this mean that the scientific community is really changing its way of looking at the non-human?

We are currently witnessing a slow change in the way plants are understood. Recent scientific studies have shown that plants send signals to each other, for instance through their roots or through air-born chemicals, which convey a variety of information, from warnings about potential predators to indications about where to find water. The Society of Plant Signaling and Behavior brings together plant biologists, ecologists, biochemists, and so on, working in this relatively new field. Scientists have known all along that plants are not merely passive, insensitive beings, but new research has revealed the extent to which they act upon and respond to their surroundings.

In the humanities and the social sciences, “plant studies” is a relatively new field that includes research on plant rights, plant-human interaction, the ontology of plants, or the aesthetic representation of plants in literature, film and the fine arts. This research moves away from a traditional understanding of plants as one of the lowest levels of the “great chain of being,” often reduced to the role of “mirrors” of human moods and feelings. Instead, it highlights that plants have their own modes of being and expression that are not inferior to those of humans and of animals. Although there is still no association focusing exclusively on plant studies in the humanities, the Association for the Study of Literature and the Environment showcases some of the new research being done in this field.

Our goal in The Language of Plants is to create a dialogue between scientific research on plants and novel approaches to plant life in the humanities. That is why one of the editors of the book, Monica Gagliano, is a biologist, the other, John Ryan, is an specialist in the environmental humanities, while my own areas of expertise are literature, film and philosophy. Amongst the contributors to the volume we have plant ecologists, entomologists, biologists, philosophers and literary critics. Our goal is to go beyond disciplinary boundaries and bring together different approaches to the field of plant studies.

What is the actual paradigm shift in the human conceptualization of vegetation, as opposed to the classical anthropocentric paradigm?

I will limit my response to the humanities, which is the field I know best. For a number of years already, “animal studies” has been making inroads into the humanities. Scholars working on this subject have long been questioning the so-called anthropocentric paradigm and revealing the porous boundaries between humans and non-humans. Plant studies extends many of the same concerns to vegetal life. In philosophy, for example, Michael Marder’s Plant-Thinking shows the marginality of plants in Western thought and invites us to rethink their mode of existence, drawing comparisons to human life. The aim is not to create a new hierarchy of beings that would now rank plants first but, rather, to give each being – plants, animals humans, and even (why not?) non-living entities – their due.

One might speculate about what triggered this “vegetal turn” in the humanities. Is it perhaps because plants are endangered that we are now more keen to think about them, to reflect upon their inherent worth? Or are we merely returning to ancient religious practices that regarded some plants as ensouled, something we can still witness in some parts of the world, where the worship of tree spirits is fairly common? I suspect that the two are at play, together with the exhaustion of the anthropocentric paradigm, both on a theoretical level and because of its increasingly devastating consequences to the lives of plants, animals and humans.

In The Language of Plants, we try to escape the traps of anthropocentrism by focusing not only on human discourses about plants and on the limits of human language in describing the botanical world but also on the language of plants, i.e., on the communicative modes that constitute the language plants use to make sense of and navigate their worlds. Of course, in describing the language of plants, we can never fully escape our human-centered bias, but this does not mean we should not give it a try.

What are we talking about when we talk about plant ethics and what kind of implications the discussion of plant ethics brings to the classical view of ethics?

While we tend to reduce ethics to the relations between human beings, the concept can be extended to encompass human-animal and human-plant interactions. At the root of ethics, we find the Greek word “ethos,” meaning habit or custom. What is out habitual behavior towards plants? Is this behavior consistent with what we know about plant life? Can our attitudes towards plants be modified and why should they be changed? Should our approach to plants be legally codified in plant rights, which would create a bridge between ethics and politics? All of these are questions addressed by plant ethics.

What are the motivations and expectations of your publication?

There are two main motivations behind The Language of Plants. The first is primarily academic and has to do with the wish to bring together scientists and humanities scholars working on plants. There is a profound gap dividing the sciences and the humanities, coupled with a mutual mistrust that impoverishes both fields. Research on plants is, by nature, cross-disciplinary and one of the goals of the book is to sow the seeds for collaboration on this subject across traditional academic boundaries.

The second motivation to edit this collection has to do with plant ethics, discussed above. Plant studies aims to make us reflect on the current instrumental treatment of plants that are simply there to be used and abused. The challenge of The Language of Plants is to contribute towards changing this view of the vegetal world. The very idea that plants can communicate makes us consider them in a different light and, hopefully, grant them more respect.

draw & interview by Ilda Teresa Castro

note: a more developed version of this interview will be published in the next issue of the artciencia.com online magazine

.

acerca de A Linguagem das Plantas

.

image_ilda_castro

.

Conversa com Patrícia Vieira, da Georgetown University, a propósito da publicação de A Linguagem das Plantas.

A resposta para a chamada de trabalhos para The Language of Plants (A Linguagem das Plantas) foi esmagadora. Será que isso significa que a comunidade científica está realmente a mudar o seu olhar para o não-humano?

Assistimos actualmente a uma mudança lenta na forma como as plantas são compreendidas. Estudos científicos recentes mostram que as plantas enviam sinais umas às outras. Através de suas raízes ou através de químicos que são transportados pelo ar, transmitem uma variedade de informações, desde advertências sobre potenciais predadores até indicações sobre onde encontrar água. A Society of Plant Signaling and Behavior (Sociedade da Sinalização e Comportamento da Planta) reúne biólogos, ecólogos e bioquímicos que trabalham neste campo relativamente novo. Os cientistas sempre souberam que as plantas não são seres meramente passivos, insensíveis, mas as novas pesquisas têm vindo a revelar a extensão da sua acção na resposta ao meio ambiente.

Nas ciências humanas e ciências sociais, os “estudos de plantas” são um campo relativamente novo que inclui pesquisas sobre os direitos de plantas, a interação planta-humano, a ontologia das plantas, ou a representação estética das plantas na literatura, cinema e artes plásticas. Esta pesquisa afasta-se da compreensão tradicional das plantas como um dos níveis mais baixos da “grande cadeia dos seres”, muitas vezes reduzidas ao papel de “espelhos” do humor e dos sentimentos humanos. Em vez disso, destaca que as plantas têm os seus próprios modos de ser e de expressão, que não são inferiores aos dos seres humanos e dos animais. Embora ainda não exista uma associação com enfoque exclusivamente nos estudos das plantas na área das humanidades, a Association for the Study of Literature and the Environment (Associação para o Estudo da Literatura e do Ambiente) apresenta alguma da nova pesquisa que está a ser feita neste campo.

O nosso objetivo no The Language of Plants é criar um diálogo entre a investigação científica sobre as plantas e as novas abordagens da vida vegetal na área das humanidades. Por isso, uma das editoras do livro, Monica Gagliano é uma bióloga, o outro, John Ryan, é um especialista nas humanidades ambientais, enquanto as minhas próprias áreas de especialização são a literatura, o cinema e a filosofia. Entre os contribuintes para o volume temos ecologistas de plantas, entomologistas, biólogos, filósofos e críticos literários. O nosso objetivo é ir além das fronteiras disciplinares e reunir diferentes abordagens para o campo dos estudos das plantas.

Qual é a actual mudança de paradigma na conceptualização humana da vegetação, por contraponto ao paradigma antropocêntrico clássico?

Vou limitar a minha resposta às humanidades que é o campo que conheço melhor. Já há alguns anos que os “estudos animais” têm vindo a fazer incursões nas humanidades. Os estudiosos que trabalham sobre este assunto têm vindo a questionar o chamado paradigma antropocêntrico e a revelar as fronteiras porosas entre humanos e não-humanos. Os estudos de plantas estendem muitas das mesmas preocupações para a vida vegetal. Na filosofia, por exemplo, o Plant-Thinking (Pensamento Planta) de Michael Marder mostra a marginalidade das plantas no pensamento ocidental e convida-nos a repensar o seu modo de existência fazendo comparações com a vida humana. O objetivo não é criar uma nova hierarquia dos seres que agora classifique as plantas em primeiro lugar, mas sim, dar a cada ser – plantas, animais, humanos, e até mesmo (por que não?) a entidades não-vivas – o que lhes é devido.

Pode-se especular sobre o que desencadeou esta “viragem vegetal” na área das humanidades. Talvez porque as plantas estão ameaçadas de extinção estejamos agora mais interessados em pensar sobre elas, em refletir sobre o seu valor inerente? Ou estamos apenas a retornar a práticas religiosas antigas que consideram algumas plantas como animadas, algo que ainda se pode testemunhar em algumas partes do mundo, onde a adoração de espíritos das árvores é bastante comum? Eu suspeito que os dois aspectos estão em causa, juntamente com o esgotamento do paradigma antropocêntrico, tanto no nível teórico quanto devido às suas consequências cada vez mais devastadores para a vida das plantas, animais e seres humanos.

No The Language of Plants, tentamos escapar das armadilhas do antropocentrismo, concentrando-nos não apenas em discursos humanos sobre plantas e sobre os limites da linguagem humana na descrição do mundo botânico, mas também sobre a linguagem das plantas, ou seja, sobre os modos de comunicação que constituem a linguagem que as plantas usam para dar sentido e orientar os seus mundos. Claro que, ao descrever a linguagem das plantas, nunca podemos escapar totalmente do nosso viés centrado no ser humano, mas isso não significa que não devamos tentar.

De que falamos quando falamos de ética das plantas e que tipo de implicações a discussão da ética das plantas aporta para a visão clássica da ética?

Embora tendamos a reduzir a ética às relações entre os seres humanos, o conceito pode ser estendido para incluir as interações humano-animal e humano-plantas. Na raiz da ética, encontramos a palavra grega “ethos”, que significa hábito ou costume. O que é um comportamento habitual em relação às plantas? É esse o comportamento consistente com o que sabemos sobre a vida das plantas? Podem as nossas atitudes em relação às plantas ser modificadas e por que devem ser modificadas? Deve a nossa abordagem em relação às plantas ser legalmente codificada nos direitos das plantas, o que criaria uma ponte entre ética e política? Todas estas são questões remetem para a ética das plantas.

Quais as motivações e expectativas da publicação?

Existem duas principais motivações para The Language of Plants. A primeira é essencialmente académica e tem a ver com o desejo de reunir cientistas e estudiosos de humanidades que trabalham com plantas. Há uma lacuna profunda que divide as ciências e as humanidades, juntamente com uma desconfiança mútua que empobrece ambos os campos. A pesquisa sobre as plantas é, por natureza, interdisciplinar e um dos objetivos do livro é lançar sementes para a colaboração sobre este assunto através das fronteiras académicas tradicionais.

A segunda motivação para editar esta colecção tem a ver com a ética das plantas, acima discutida. Os estudos das plantas pretendem fazer-nos reflectir sobre o actual tratamento instrumental das plantas que existem apenas para ser usadas e abusadas. O desafio de The Language of Plants é contribuir para mudar essa visão do mundo vegetal. A própria ideia de que as plantas possam comunicar faz-nos considerá-las sob uma luz diferente e, esperançosamente, conceder-lhes mais respeito.

desenho e entrevista Ilda Teresa Castro (Abril 2014)

nota: uma versão mais desenvolvida desta entrevista será publicada no próximo número da revista artciencia.com

.

 

.

mudanças climáticas / climate change

The forgotten part of climate change : slower winds

ladybug-680x450

photo An asian lady beetle rests on a plant in a soybean field, copyright Brandon Barton

“Temperature and precipitation get all the glory in the discussions surrounding climate change. Ocean acidification has earned itself a seat at the table as well. But nobody has really paid any attention to wind. Maybe that’s because you can’t actually see wind, or that the changes have been more subtle than the triple-digit (Fahrenheit) heat that’s stretching later and later into the autumn.

Thanks to new research by Brandon Barton, a Univiersity of Wisconsin–Madison postdoctoral researcher in the Department of Zoology, wind may finally get its moment in the climate change spotlight. (…)”

Jason G Goldman – University of Washington (24 September 2014)

.


 

.

 

O que é que os direitos das florestas têm a ver com as mudanças climáticas?

What do forest rights have to do with climate change?

stopping deforestation and reforesting we could reduce global greenhouse gas emissions by 30 percent / a suspensão do desflorestamento e reflorestamento pode reduzir as emissões globais de gases de efeito estufa em 30 por cento.

por / by  David Kaimowitz (Director, Natural Resources and Sustainable Development)

safe_image-1

 

.

 


.

The study of plant neurobiology


Stefano Mancuso

205649_800x600

Plants are even able to communicate — they are extraordinary communicators. They communicate with other plants. They are able to distinguish kin and non-kin. They communicate with plants of other species and they communicate with animals by producing chemical volatiles, for example, during the pollination. Now with the pollination, it’s a very serious issue for plants, because they move the pollen from one flower to the other, yet they cannot move from one flower to the other. So they need a vector — and this vector, it’s normally an animal. Many insects have been used by plants as vectors for the transport of the pollination, but not just insects; even birds, reptiles, and mammals like bats rats are normally used for the transportation of the pollen. This is a serious business. We have the plants that are giving to the animals a kind of sweet substance — very energizing — having in change this transportation of the pollen. But some plants are manipulating animals, like in the case of orchids that promise sex and nectar and give in change nothing for the transportation of the pollen.”

in the roots of plant intelligence

.


.

Sinais florais eléctricos

.

..9163-19163-29163-3.. .

 

Várias flores (Gerânio magnificum; Gerbera hybrida; Clematis armandii) mostram a composição de imediatamente antes e após a aplicação de tinta carregada de pó. O padrão de deposição do pó revela a forma do campo eléctrico.

 

image credit: Dominic Clarke and Daniel Robert

 

Os métodos de comunicação das flores são pelo menos tão sofisticados quanto quaisquer concebidos por uma agência de publicidade, de acordo com um novo estudo publicado hoje na Science Express por pesquisadores da Universidade de Bristol.

 

No entanto, para qualquer anúncio ser bem sucedido, tem de ser percebido pelo seu público-alvo. A pesquisa mostra pela primeira vez que os polinizadores como as abelhas são capazes de encontrar e distinguir sinais eléctricos produzidos pelas flores.

 

As flores muitas vezes produzem cores brilhantes, padrões e fragrâncias sedutoras para atrair os seus polinizadores. Pesquisadores da Escola de Ciências Biológicas (School of Biological Sciences), liderados pelo professor Daniel Robert de Bristol, descobriram que as flores também têm o seu equivalente a um sinal de néon – padrões de sinais elétricos que podem comunicar informações para o insecto polinizador. Estes sinais eléctricos podem trabalhar em conjunto com outros sinais atraentes da flor e aumentar o poder de publicidade floral.

 

As plantas são geralmente carregadas negativamente e emitem campos eléctricos fracos. Por outro lado, as abelhas adquirem uma carga positiva enquanto voam pelo ar. Nenhuma faísca é produzida quando uma abelha carregada se aproxima de uma flor carregada, mas é acumulada uma pequena força eléctrica que pode potencialmente transmitir informações.

 

Ao colocar eléctrodos no caule das petúnias, os investigadores mostraram que quando uma abelha, aterra, o potencial da flor muda e permanece assim durante vários minutos. Poderia ser essa uma forma pela qual as flores dizem às abelhas que outra abelha as visitou rececentemente?

 

Para sua surpresa, os pesquisadores descobriram que as abelhas podem detectar e distinguir entre diferentes campos eléctricos florais.

 

Além disso, os investigadores descobriram que quando as abelhas passaram por um teste de aprendizagem, se tornaram mais rápidas a aprender a diferença entre duas cores quando os sinais elétricos também estavam disponíveis.

 

Como detectam então as abelhas os campos elétricos? Isto ainda não é conhecido, embora os investigadores especulem que os zangões peludos se eriçam sob a força electrostática, assim como o cabelo na frente de um ecrã de uma televisão antiga.

 

A descoberta de tal detecção eléctrica abriu toda uma nova compreensão sobre a percepção dos insectos e  a comunicação das flores.

 

Dr. Heather Whitney, co-autora do estudo, afirma: “Este canal de comunicação revela como as flores podem potencialmente informar os seus polinizadores sobre a honesta situação das suas preciosas reservas de néctares e pólen.”

 

E o Professor Robert refere: “A última coisa que uma flor quer é atrair uma abelha e, em seguida, não lhe fornecer o néctar : esta é uma lição de publicidade honesta pois as abelhas que são boas alunas logo perderiam o interesse numa flor tão ingrata. A co- evolução entre flores e abelhas tem uma história longa e benéfica, por isso talvez não seja inteiramente surpreendente que ainda estejamos descobrindo a extrema sofisticação da sua comunicação”.

 

A pesquisa foi apoiada pelo Leverhulme Trust.

artigo “Detecção e aprendizagem de campos elétricos florais por abelhas” por Dominic Clarke , Heather Whitney, Gregory Sutton e Daniel Robert na Science Express.

(tradução ildateresacastro)

 

.

 

Floral signs go electric

source and english version here .

..9163-19163-29163-3.. .

.


.

As Árvores Comunicam?

Do Trees Communicate?

Suzanne Simard
University British Columbia  

a film by Dan Mckinney
producer Julia Dordel
Black Forrest Productions . 2011

Prof. Suzanne Simard da University British Columbia :

As Árvores Comunicam?

A minha investigação mostra que elas comunicam, sim.  Têm um método de comunicação. Elas não são nada “indivíduos” no sentido referido por Darwin de “indivíduos em competição pela sobrevivência”. Com efeito, pelo contrário, elas inter-actuam entre si, procurando ajudar à sobrevivência umas das outras.

Uma rede que Abrange a Floresta — Subsolo

Eu sou uma investigadora da floresta, especializada em observar as comunidades no solo. Descobrimos que este fungo conecta uma planta a outra planta.

Assim, esta árvore conecta-se com tudo o resto à sua volta. Aqui podemos observar as raízes que envolvem essa rede e onde o fungo se desenvolve e encontra nutrientes. Esta árvore envia o seu carbono através das raízes e dos fungos e existe um interface entre as células corticais das raízes e as células dos fungos através do quais realiza a troca. Através do sistema de raízes e de fungos a planta consegue comunicar com outra planta a metros de distância e enviar o seu carbono e hidrogénio até à coroa da outra árvore que dele tem necessidade.

Árvore Mãe

Achamos que as Árvores Mães são as árvores grandes e antigas. Captam-nos o olhar quando andamos pela floresta.  Esta árvore deve ter cerca de 500 anos de idade, é uma massa de árvore com uma enorme e vasta rede associada. Provavelmente está em rede com todas as árvores em seu redor, mesmo com as espécies diferentes. Todas as árvores em seu redor funcionam como pontes de uma rede.

É um sistema complexo! Mostra-nos como a biosfera terrestre é um sistema complexo, todas estas partes trabalham em conjunto. Os fungos trabalham em conjunto com as árvores.  Este funcionamento é muito similar à forma como o cérebro humano funciona. O nosso cérebro é composto de neurónios e axónios, e os neurónios estão fisicamente relacionados, quer dizer, estão também quase metafisicamente relacionados, pois enviam mensagens de uns para os outros e constroem com base uns nos outros. Funciona muito como o sistema igualitário de uma floresta que é compreendido na sobreposição de redes e as fundações dos fungos e micro-organismos é uma dessas fundações em rede.

Então, o facto de na floresta os fungos e as árvores trabalharem em conjunto permite à floresta a criação da sua estrutura. Essa estrutura manifesta-se na diversidade de espécies ou na diversidade estrutural da floresta, e essa diversidade é o que confere resiliência à floresta. Resiliência para acontecimentos inesperados como um incêndio ou uma invasão de insectos ou uma tempestade, ou mesmo  a presença de uma pessoa, pois também isso representa uma adversidade.

O Legado Perdido

Algumas práticas de floresta que efectuamos não têm atenção ao papel destas Árvores Mães, e ao facto de que as árvores transferem o seu legado às novas gerações. Não temos esse factor em atenção. Pelo contrário, o que fazemos é cortar essas árvores quando estão a morrer e assim não lhes damos oportunidade de retribuir à comunidade a que pertencem. O que essas árvores moribundas fariam se não fossem cortadas, seria transmitir recursos às árvores viventes. Antes de completamente colapsarem transmitiriam esse legado às árvores jovens. Trata-se de uma transferência, de passagem de uma geração para a geração seguinte. Se lhes dermos a possibilidade de o fazerem.

(tradução ildateresacastro)

.


.

As plantas usam redes subterrâneas para avisar do ataque inimigo

10 de Maio de 2013

Cientistas britânicos descobriram que as plantas usam redes de fungos subterrâneos para alertar as plantas vizinhas do ataque de pulgões. O estudo, publicado em Maio de 2013 na Ecology Letters, é o primeiro a revelar a capacidade das plantas se comunicarem no subsolo desta forma.

A pesquisa, financiada por uma bolsa de estudo NERC Rothamsted Research, altera a compreensão humana acerca das maneiras pelas quais os seres vivos interagem uns com os outros. Se as culturas poderem ser geridas de uma forma que explore este canal de comunicação natural, este poderia fornecer uma nova arma na batalha contra as pragas de insetos.

Cientistas da Universidade de Aberdeen, do Instituto James Hutton e Rothamsted Research fizeram crescer a planta de feijão (Vicia faba), em grupos de cinco. Em três de cada grupo permitiram o crescimento de redes subterrâneas de micélio – um fungo que cresce a partir de um conjunto de raízes para outro. E mantiveram  as duas plantas restantes livres das ligações fúngicas.

Em seguida infestaram uma das plantas de cada grupo com pulgões, provocando a libertação de um conjunto de produtos químicos destinados a repelir pulgões mas a atrair vespas, um dos predadores do pulgão .

Notavelmente, as plantas que não estavam sob o ataque mas que foram ligadas à vítima pela rede de fungos subterrâneos, também começaram a produzir a resposta química defensiva. As plantas desconexas não montaram uma defesa química e por isso permaneceram vulneráveis ao ataque dos pulgões.

Pesquisas anteriores já haviam mostrado que as plantas poderiam se comunicar quimicamente através do ar mas os pesquisadores cobriram as plantas com sacos para descartar a sinalização acima do solo.

Dr. David Johnson, da Universidade de Aberdeen, que conduziu o estudo, diz: “Sabíamos que as plantas produzem químicos voláteis quando sob ataque e sabíamos que em situação de perigo se comunicam entre si acima do solo. Agora sabemos que também comunicam o perigo através dessas redes de fungos subterrâneos. As plantas conectadas que não foram infestadas pelos pulgões comportaram-se como se tivessem sido. Não sei bem qual o mecanismo mas é provável que seja um sinal químico . “

“A nossa compreensão dos sistemas ecológicos não considerou o facto de que as plantas estão interligadas desta forma. Isto pode ter grandes implicações no nosso entendimento de como um organismo afecta outro”, acrescenta.

As raízes de praticamente todos os grupos de plantas, incluindo importantes culturas alimentares, tais como o trigo, o arroz, o milho e a cevada, são colonizadas por fungos simbióticos .

Outro dos autores do estudo, o Professor John Pickett da Rothamsted Research, um instituto de pesquisa independente financiado estrategicamente pelo BBSRC, refere: “Os pulgões afectam todas as regiões agrícolas de maior latitude, incluindo o Reino Unido, a UE, a América do Norte e o Nordeste da Ásia. Esta pesquisa poderia fornecer uma intervenção nova, sustentável e natural. Num campo de plantas que têm alguma resistência induzida a pulgões, poderíamos usar uma planta que é suscetível ao ataque de pulgões para ‘ ligar ‘ o mecanismo de defesa através da conexão subterrânea natural. Há o potencial para lidar com outras pragas e doenças, em outras regiões, de forma similar.”

*

Resumo do artigo científico publicado pela equipa de Dr. Johnson e professor Pickett na revista Ecology Letters em Maio 2013:

Sinais subterrâneos transmitidos por meio de redes de micélio comum avisam as plantas vizinhas de ataque do pulgão.

As raízes da maioria das plantas terrestres são colonizadas por fungos micorrízicos que fornecem nutrientes minerais em troca de carbono. Aqui, mostramos que os micélios micorrízicos também podes actuar como um canal de sinalização entre plantas, actuando como um sistema de alerta precoce para o ataque herbívoro. Insetos herbívoros provocam alterações sistêmicas na produção de plantas voláteis, particularmente o salicilato de metilo, tornando as plantas de feijão, Vicia faba, repelentes aos pulgões mas atraentes para pulgão inimigos, como os parasitóides. Demonstramos que esses efeitos também podem ocorrer em plantas livres de pulgões, mas apenas quando eles estão conectados às plantas infestadas com os pulgões através de uma rede micelial micorrízica comum. Este sistema de mensagens subterrâneas permite que as plantas vizinhas invoquem defesas herbívoras antes do ataque. Os nossos resultados demonstram que as redes de micélios micorrízicos comuns podem determinar o resultado de interações multitróficas ao comunicarem informações sobre o ataque herbívoro entre plantas, influenciando, assim, o comportamento de ambos, herbívoros e seus inimigos naturais.

Ecology Letters Volume 16, Issue 7, pages 835–843, July 2013

(tradução ildateresacastro)

.

Plants use underground networks to warn of enemy attack

10 May 2013

Plants use underground fungal networks to warn their neighbours of aphid attack, UK scientists have discovered. The study, published this week in Ecology Letters, is the first to reveal plants’ ability to communicate underground in this way.

The research, funded by a NERC studentship with Rothamsted Research, changes our understanding of the ways in which living things interact with one another. If crops can be managed in a way that exploits this natural communication channel, it could provide a new weapon in the battle against insect pests.

Scientists from the University of Aberdeen, the James Hutton Institute and Rothamsted Research grew the bean plant (Vicia faba) in groups of five. They allowed three in each group to grow underground networks of mycelia – a thread-like fungus that grows from one set of roots to another. They kept the two remaining plants free of the fungal links.

They then infested one of the plants in each group with aphids, triggering the release of a suite of chemicals designed to repel aphids but attract wasps, one of the aphid’s predators.

Remarkably, plants which were not under attack themselves, but which were connected to the victim by the underground fungal network, also began to produce the defensive chemical response. Unconnected plants didn’t mount a chemical defence, so remained vulnerable to aphid attack.

Previous research had shown that plants could communicate chemically through the air, but the researchers covered the plants with bags to rule out above-ground signalling.

Dr David Johnson, of the University of Aberdeen, led the study. He says,”We knew that plants produce volatile chemicals when attacked, and we knew they communicate danger to each other above ground. Now we know that they communicate danger through these underground fungal networks as well. Connected plants that weren’t infested by the aphids behaved as though they were. We don’t quite know the mechanism, but it’s likely to be a chemical signal.”

“Our understanding of ecological systems has not considered the fact that plants are interconnected in this way. It could have major implications for our understanding of how one organism affects another,” he adds.

The roots of virtually all groups of plants, including important food crops such as wheat, rice, maize and barley, are colonised by symbiotic fungi.

Another of the study’s authors, Professor John Pickett of Rothamsted Research, an independent research institute strategically funded by the BBSRC, says, “Aphids affect all higher-latitude agricultural regions, including the UK, the EU, North America, and North East Asia. This research could provide a new, sustainable and natural intervention. In a field of plants that have some inducible resistance to aphids, we could use a plant that’s susceptible to aphid attack to ‘switch on’ the defence mechanism through the natural underground connection. There’s the potential to deal with other pests and diseases, in other regions, in a similar way.”

Notes

1. The paper, ‘Underground Signals carried through common mycelial networks warn neighbouring plants of aphid attack‘ (DOI: 10.1111/ele.12115), was published in Ecology Letters on 10 May 2013.

2. The research was funded by a NERC open CASE studentship (NE/G012008/1) with Rothamsted Research. Rothamsted Research is strategically funded by the BBSRC.

3. The Natural Environment Research Council (NERC) is the UK’s main agency for funding and managing world-class research, training and knowledge exchange in the environmental sciences. It coordinates some of the world’s most exciting research projects, tackling major issues such as climate change, food security, environmental influences on human health, the genetic make-up of life on earth, and much more. NERC receives around £300m a year from the government’s science budget, which it uses to fund research and training in universities and its own research centres.

4. NERC CASE studentships promote collaboration between the research community and the end-users of research. They aim to achieve benefits for both the end-user and the student.

5. Rothamsted is an independent scientific research institute and the longest running agricultural research station in the world. Established in 1843 and strategically funded by the Biotechnology & Biological Sciences Research Council (BBSRC), we provide independent, cutting-edge scientific research to develop innovations that benefit our health, farming and the environment.

Press release: 05/13

http://www.nerc.ac.uk/press/releases/2013/05-plants/

Underground signals carried through common mycelial networks warn neighbouring plants of aphid attack

Abstract

The roots of most land plants are colonised by mycorrhizal fungi that provide mineral nutrients in exchange for carbon. Here, we show that mycorrhizal mycelia can also act as a conduit for signalling between plants, acting as an early warning system for herbivore attack. Insect herbivory causes systemic changes in the production of plant volatiles, particularly methyl salicylate, making bean plants, Vicia faba, repellent to aphids but attractive to aphid enemies such as parasitoids. We demonstrate that these effects can also occur in aphid-free plants but only when they are connected to aphid-infested plants via a common mycorrhizal mycelial network. This underground messaging system allows neighbouring plants to invoke herbivore defences before attack. Our findings demonstrate that common mycorrhizal mycelial networks can determine the outcome of multitrophic interactions by communicating information on herbivore attack between plants, thereby influencing the behaviour of both herbivores and their natural enemies.

in Ecology Letters Volume 16, Issue 7, pages 835–843, July 2013

 

 

.

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s